fbpx

E a temporada regular começou para os times da NL Central! Em uma divisão que pode facilmente ser destacada como uma das mais fortes da MLB para 2019, o começo de algumas equipes foi bastante preocupante.

Milwaukee Brewers (7-1)

Que belo início do time de Milwaukee, que acordou hoje com o melhor recorde da MLB! Logo na primeira série da temporada, contra os Cardinals, os Brewers levaram a vitória por 5-4, mas no jogo seguinte os Cardinals jogaram melhor e ganharam. Desde então, no entanto, apenas vitórias: no terceiro jogo, 4-2, e no quarto jogo da série, o mais emocionante do time até agora, vitória por 5-4 com direito a uma virada impulsionada pelo atual MVP Christian Yelich na parte baixa da nona entrada.

Na segunda série, contra os Reds, os Brewers não enfrentaram muita dificuldade e venceram as três partidas, a primeira e a segunda por 4-3 e a terceira por 1-0. Destaque para a atuação do pitcher Freddy Peralta na quarta-feira, arremessando oito innings sem corridas, com apenas dois hits e 11 strikeouts. Além de ter sido a partida mais longa de sua carreira, foi apenas a terceira vez em que o jovem arremessador bateu a marca de 10 ou mais Ks.

A série contra os Cubs começou, e já no primeiro jogo disputado os Brewers tiveram um belo desempenho ofensivo marcando 13 pontos, sendo oito deles somente nas três primeiras entradas. Poderíamos dizer que era para ser um jogo tranquilo, mas o bullpen de Milwaukee deixou a desejar, dando esperanças para uma possível virada do time de Chicago. Contudo, devido a um dia inspirado do ataque, que anotou 5 HRs, a vitória veio.

Como destaques para Milwaukee, impossível não mencionar seus craques dos dois lados da bola: Christian Yelich e Josh Hader. O MVP foi decisivo para as vitórias, anotando 4 HRs nos primeiros quatro jogos de 2019, além de impulsionar corridas quando o time mais precisava, como na vitória walk-off sobre os Cardinals. Já Hader, atuando como closer enquanto Jeremy Jeffress, lesionado, faz sua rehab nas Ligas Menores, está perfeito até agora, com quatro saves em quatro tentativas. Em 10 innings de trabalho, o reliever ainda não cedeu nenhuma corrida, apenas um hit e um walk, acumulando 10 strikeouts e uma entrada imaculada (3 strikeouts em 9 arremessos seguidos) contra os Cardinals. Com certeza, se os dois continuarem o ritmo, os Brewers seguirão fortes na disputa pela divisão. 

O reliever Josh Hader está com uma incrivel média de 2 1/2 strikeouts por partida. Foto: The Athletic

Pittsburgh Pirates (4-3)

O time de Pittsburgh teve um início não muito bom em 2019, mas parece estar se recuperando. Logo na primeira partida da série, contra os Reds, os Bucs perderam por 5-3 com algumas falhas do SP Jameson Taillon em Cincinnati. O segundo jogo da série foi adiado devido a problemas com o tempo, mas no terceiro jogo os Pirates tiveram um belo desempenho tanto no ataque quanto na defesa.

Uma pausa na série ocorreu para os jogos contra os Cardinals. Em ambos os jogos, os Bucs perderam no detalhe. O primeiro jogo foi disputadíssimo, e os Pirates acabaram levando a derrota por 6-5 nas entradas extras. O segundo jogo foi às entradas extras novamente, e, novamente, derrota dos Pirates, que perderam por 5-4.

A série contra os Reds continuou com mais três jogos, agora no PNC Park. Em todos os jogos, vitória para os Pirates, com atuação excepcional dos arremessadores nos primeiros dois jogos. Hoje, mais uma vez o time de Pittsburgh foi às entradas extras, com um resultado positivo dessa vez: 6-5. O maior problema para Pittsburgh parece ser a necessidade de uma maior produção de seu ataque, mas o grupo de arremessadores realmente está dando conta do recado, contrariando nossa previsão.

Neste início de temporada, os arremessadores dos Pirates vêm sendo essenciais para o time, tendo boas performances mesmo nas derrotas: antes do jogo de hoje, o ERA coletivo da rotação de Pittsburgh era um estonteante 1.25. Joe Musgrove, por exemplo, foi dominante no jogo de ontem (05/04) contra os Reds, cedendo apenas dois hits e nehuma corrida em sete entradas. O bullpen do time também começou com tudo: mesmo com três derrotas até agora, o grupo cedeu apenas 12 hits ao todo! Em especial, destaque para o closer Felipe Vázquez, que anotou 7 strikeouts em quatro entradas, conseguindo dois saves.

Os arremessadores de Pittsburgh estão pegando fogo! Foto: Pirates Prospect

St. Louis Cardinals (3-5)

O começo dos Cardinals em 2019 provavelmente não é aquilo que o torcedor esperava, mas paciência: estamos apenas no início de tudo. Os Cardinals perderam a série inaugural contra os Brewers fora de casa por 3-1, em que pese a atuação de gala de Paul Goldschmidt no jogo 2.

Após, os Cardinals derrotaram os Pirates em dois jogos no PNC Park. Como mencionamos antes, foram confrontos disputadíssimos, e as vitórias eventuais de St. Louis ajudam a levantar o ânimo do torcedor.

Passando pelos confrontos divisionais, ânimo não foi exatamente o que veio. Após o jogo inaugural contra o San Diego Padres ser adiado pela chuva, os Cardinals perderam para o time de Manny Machado ontem e hoje. Certamente, ajustes precisam ser feitos para que St. Louis brigue pela divisão, como todos esperam e o time merece.

Mas não é tudo motivo para choro: em que pesem as 5 derrotas, o grupo de arremessadores dos Cardinals não teve atuações particularmente más até agora. O slugger Goldy, que, cabe lembrar, ficará em St. Louis ao menos até 2024, já está em casa: em sete jogos e 33 at bats, ele anotou 5 home runs, impulsionou 9 corridas e chegou em base via walk 6 vezes. Além de Goldy, Kolten Wong está tendo um início de ano para se lembrar, com uma média de .417, 3 HRs, 6 RBI e 3 walks até agora.

Para St. Louis, a chave parece seguir com uma boa performance no montinho, com arremessadores mantendo o time com chances reais nos jogos, e que o ataque seja, como um todo, mais consistente. Se apenas um ou dois nomes – Goldy e Wong, nesse caso – estiverem produzindo regularmente, o ataque dos Cardinals se tornará bem fácil de anular.

Resultado de imagem para goldy 3 hrs vs brewers
Goldy está dando todas as mostras de que aterrorizará a NL Central pelo futuro visível. Foto:
Stacy Revere/Getty Images

Chicago Cubs (1-6)

Que início terrível para o time de Chicago: apenas uma vitória e seis derrotas. Após uma vitória sonora por 12-4 no Opening Day contra os Rangers, desastre total: seis derrotas seguidas, incluindo entregadas indesejáveis do bullpen Cubista. Foi o que aconteceu nos dois jogos seguintes no Texas: após conquistar vantagens no início do jogo, os relievers dos Cubs entregaram a rapadura e, consequentemente, os jogos.

Contra o Atlanta Braves, uma varrida dolorosa: 8-0, 6-4 e 9-4. É, torcedor de Chicago…

Como se não bastasse os problemas no bullpen, a defesa de Chicago ainda parece estar em ritmo de Spring Training: nos sete jogos até agora, foram nada menos que ONZE erros, segunda pior marca da liga. Com uma defesa tão errática e arremessadores tão pouco confiáveis neste começo de temporada, nem dá para reclamar do ataque: na maioria dos jogos, a quantidade de corridas sofridas praticamente anulam as chances de uma virada. E, quando o ataque consegue uma vantagem, a defesa acaba entregando. Aí fica difícil. 

Os Cubs buscam reencontrar as vitórias, mas para que consigam, não podem continuar tendo atuações tenebrosas no montinho. Ontem, o ataque bem que tentou manter o time no jogo, anotando 10 corridas – geralmente é o suficiente para ganhar um jogo, certo? Não. Em noite absolutamente tenebrosa de José Quintana, tão conhecido por ir bem contra o time de Milwaukee, o starter tratou de ceder 8 corridas em três entradas. Como se não bastasse, o bullpen encerrou o trabalho, deixando com que os Brewers anotassem mais cinco corridas. Cabe descobrirmos se os arremessadores acordam para os jogos restantes da série, começando hoje, com Hamels no montinho.

Quintana teve um start TENEBROSO ontem, dizimando as chances de vitória dos Cubs logo no começo do jogo. Foto: NBC Sports Chicago

Cincinnati Reds (1-7)

Como mencionado anteriormente, os Reds enfrentaram os Pirates na primeira série de 2019, ganhando uma partida e perdendo outra. No primeiro jogo, tudo certo: boa performance da defesa e do ataque. No segundo, todavia, os bastões dos Reds se provaram insuficientes para vencer os arremessadores de Pittsburgh.

No restante da temporada, a tônica parece estar se mantendo: nos dois jogos contra os Brewers, destaque especial para o jogo de quarta-feira, em que Castillo cedeu apenas uma corrida, os rebatedores de Cincinnati simplesmente não conseguiram dar chances ao time – e cabe dizer, aqui, que a rotação dos Brewers tem certo potencial, mas não é nenhum bicho de sete cabeças.

Contra os Pirates, novamente, o ataque dos Reds foi totalmente anulado pelos arremessadores de Pittsburgh nos primeiros jogos. Novamente, urge a necessidade de que Cincinnati encontre alguma consistência ofensiva para ver melhores dias.

Talvez essa questão já esteja melhorando; em que pese a derrota de hoje contra os Pirates, a equipe conseguiu levar o jogo às entradas extras, além de ter produzido cinco corridas. Veremos.

Luis Castillo começou 2019 muito bem, mas seu time não está o ajudando. Foto:
Jamie Sabau/Getty Images

Conclusão

E aí, torcedor, como estão as suas expectativas agora, em relação ao que esperava antes da temporada começar? Como está seu time? Numa divisão marcada principalmente por algumas decepções, quem irá dar a volta por cima primeiro? Deixe sua opinião nos comentários!

#MLBdaMassa #ThisIsMyCrew #TimeToFly #EverybodyIn #LetsGoBucs #BornToBaseball

Colunas anteriores

TRÊS NOS PLAYOFFS DE 2019 NA NL CENTRAL?

Tags
Mostre mais

Artigos Relacionados

1 thought on “ALTOS E BAIXOS NO COMEÇO DA NL CENTRAL”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close