fbpx
Sem classificação

FALEMOS UM POUCO SOBRE JOSÉ MARTÍNEZ

Olá amigos fãs do uniforme vermelho e branco de Missouri, iniciaram bem 2019? Que ótimo.

Nada de contratações/movimentações relevantes até o momento presente em St. Louis. Tirando o fato da adição de “Goldy”, e uma aposta para reforço do bullpen com o veterano LHP Andrew Miller. Esse último vindo dos Indians. Mais do que trocas ou aquisições, os famosos “boatos” são os que aquecem a liga, e a deixam mais interessante. Dependendo do ponto de vista, claro.

Certos rumores no time da fronteira com Illinois, dizem que o time das “aves vermelhas” está disposto a aceitar ofertas por José Martínez. Mas porquê? vejamos.

JOSÉ MARTÍNEZ

Foto: mlb.com

O venezuelano passou a maior parte tempo em times das ligas menores (10 anos para ser mais exato), do que precisamente na Major. Em maio de 2016 foi trocado do Kansas City Royals para o St. Louis por dinheiro. Com seu excelente crescimento no Memphis Red Birds, finalmente estreou na Major. Sem posição definida no time, “Cafe” atuou mais como rebatedor designado, algumas como campista esquerdo, e outras como primeira base.

Não teve números tão expressivos na sua primeira aparição na MLB, até porque foram somente 12 jogos. Seus números em 2016 foram: 12 jogos, 6-6, 16 AB, 4R, 7H, 1 2B e .438 AVG. Deixarei as estatísticas para a próxima seção, para maior organização.

ESTATÍSTICAS

Foto: mlblogs.com

Como dito na primeira seção, José jogou pouquíssimos jogos na sua primeira temporada. Com o passar dos anos, a sua mescla de posições ainda continuou, sendo backup e starter como LF, PH e 1B. O que mais chamou a atenção no venezuelano foi o seu incrível desempenho no bastão. Veja a imagem abaixo retirada do site da própria MLB.

Foto: mlb.com

Note que seu número de jogos (G) aumentou assustadoramente (12, 106 e 152) através das temporadas. Assim como a equivalência entre idas aos bastão (AB), corridas anotadas ( R ), e rebatidas extra-bases (2B e 3B). Na season 2018 após a lesão de Dexter Fowler (OF) o camisa 58 passou a ser o titular, como defensor do campo direito. Ao fim da temporada foi possível constatar que Martínez foi o segundo jogador que mais atuou pelo St. Louis em número de jogos, perdendo somente para Carpenter. Mas nem tudo são flores.

SISTEMA DEFENSIVO

Foto: ksdk.com

Aqui chegamos no “calcanhar de aquiles” do jogador. Não trataremos sua defesa no quesito outfielder, mas sim dela dentro do diamante, mais precisamente como 1B. No beisebol um bom defensor é muito mais válido do que somente um bom rebatedor. Mas porquê disso? esse esporte consiste na maior velocidade na eliminação dos oponentes, ou seja, eliminando-os a chance do seu time pontuar é maior, no máximo levando à uma entrada extra. Podemos ver claramente isso com alguns jogadores, como: Billy Hamilton e Kevin Pillar. Eles não são tão bons no bastão, mas são exímios defensores de elite, fazendo com que o time confie neles. Outro exemplo disso foi o “Mago de Oz”, Ozzie Smith que foi muito subestimado no ataque. Enfim, estatisticamente descrevendo-o, seus stats são péssimos (OPS extremamente vacilante) defensivamente, não só piorando seus números, como os de seus companheiros também.

Curiosidade: em julho de 2018 ele possuía um WAR de 0,9 através do baseball reference. As sua contribuições no ataque com corridas, eram anuladas pela sua defesa precária.

PROPOSIÇÕES

Foto: stlbaseballweekly.com

Mediante as apresentações do jogador, algumas conclusões foram montadas. Sendo elas:

  1. Martínez traz um grande potencial como DH para a AL, visto a sua grande capacidade no bastão. É perfeito!
  2. Cardinals estão à procura de um jogador que jogue nas duas pontas, o venezuelano poderia ser um moeda de troca para tal.
  3. Com o início da temporada 2019, o time será reajustado, e o espaço que o camisa 58 tinha com a lesão de Fowler será perdida.
  4. Defesa, defesa, defesa. Esse é o principal ponto ao adicionar novos jogadores a formação. O poderio ofensivo já têm uma base quase sólida.
  5. Como o “Business Sport” pensa: sempre se deve pensar no futuro. Faça escolhas  ou trocas sábias enquanto o jogador vale algo. Tudo pelo bem da franquia, e seu sucesso.

É preciso dizer mais alguma coisa? Nas palavras do próprio gerente geral do time: “Esse é o tipo de cara que tem um grande mercado, caras que atingem .300 são jogadores valiosos”- Michael Girsch.

O QUE ESTÁ POR VIR

Alguns times já apresentaram interesse no jogador, como: Astros, Tampa Bay e White Sox. Imagine-o sendo um backup imediato para Yuli Gurriel, ou mesmo para Marwin Gonzalez no campo externo? Suposições são feitas, mas só o tempo irá respondê-las com mais veemência. Deixando o clubismo de lado, José Martínez para esse que vos escreve é um tremendo jogador. Com um bela história de esforço e superação. Um rebatedor nato, com um braço incrível. É triste ver que ele pode vestir outro uniforme. No entanto o fato dele ser melhor explorado em outra franquia, para dar o seu melhor já é engrandecedor. Independente do seu destino, torçamos para o seu sucesso.

Tags
Mostre mais

Victor Hugo

Católico, na eterna busca pela santidade! Analista de Segurança da Informação, apaixonado por NBA e MLB.

Artigos Relacionados

2 thoughts on “FALEMOS UM POUCO SOBRE JOSÉ MARTÍNEZ”

  1. Sem dúvida Martínez é um cara que desperta interesse. LA Dodgers já andou sondando os Cards para uma negociação. O venezuelano, como vc disse, é um cara que acrescenta muito no ataque. Belo post, VH!

  2. Obrigado FF! Pois é, um rebatedor de peso em LA Dodgers seria maravilhoso/essencial. Ainda mais agora com a saída de Puig e Kemp da rotação titular. Temporada 2019 promete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close