fbpx
Denver NuggetsSem classificação

LONGE DO FIM, ESTAMOS APENAS NO COMEÇO

Voltando pra setembro, no começo da temporada, eu mal poderia imaginar que o Nuggets seria o segundo melhor time do Oeste. Inclusive, a maioria das análises e previsões também não cogitava isso. Uma classificação ao playoffs, em sétimo ou oitavo já seria o suficiente para este time que bateu na trave ano passado, perdendo o último jogo da temporada no OT e consequentemente a vaga. Porém, esse time cresceu enormemente nessa temporada.

Brigamos jogo por jogo, do começo ao fim da temporada pelo primeiro lugar contra o poderoso Warriors. Ganhamos jogos incrivelmente difíceis na temporada (Varrendo o Okc, Raptors, Celtics), vitória contra o Warriors, ganhando vários jogos por três ou menos pontos – demonstrando o amadurecimento do time – e assim foi a temporada. Gigante. O time que tem o quarto lineup mais novo da liga (média de 25 anos) chegou aos offs com uma responsabilidade a mais, defender o segundo seed da regular. Estávamos prontos.

SÉRIE CONTRA O SPURS

Na primeira rodada, enfrentamos os comandados de Greg Popovich, o Spurs. Fazendo um diagnóstico anterior a série, poderíamos esperar um duelo cascudo, afinal do outro lado havia Aldrige, DeRozan e principalmente, Pop. Contudo, esperava uma vitória em cinco, no máximo seis jogos. O buraco foi muito mais embaixo.

JOGOS 1 E 2

Denver voltava a receber um jogo de playoffs pela primeira vez desde 2013. A empolgação estava alta, afinal tivemos uma baita temporada e mal poderíamos esperar para o começo da série.

Porém, o início foi desastroso. O jogo 1 foi cercado por muito nervosismo da parte do Nuggets, decisões erradas e erros não contestados. O time acabou caindo na forte marcação do adversário, que contou com um DeRozan bem e venceu. Murray, Barton amassaram o aro, Jokic marcou só 10pts e o Nuggets perdeu o mando no primeiro jogo.

O jogo 2 foi tão ruim quanto o primeiro. O Nuggets não se encontrava de jeito nenhum, perdeu os dois primeiros quartos e chegou a ficar atrás do placar por 19pts, até que chegou o momento de Jamal Murray. Murray havia errado todos oito arremessos antes do último quarto e tinha apenas três ponto no jogo. Quem segurava as pontas e tentava nos manter no jogo era Millsap e Jokic. Enfim, no último quarto Murray meteu 21pts e pegou fogo. Vitória em uma performance não convincente.

O banco indo a loucura com o último quarto de Murray no jogo 2
Crédito: AAron Ontiveroz/The Denver Post

Jogos na estrada e o restante da série

O Nuggets foi a San Antonio, sabendo que precisava ganhar ao menos, um duelo. Não aconteceu no jogo 3, onde Derrick White marcou 36pts e comandou a vitória do Spurs. O jogo porém foi crucial na série. Ali, Michael Malone percebeu que Will Barton não podia permanecer no quinteto, estava jogando mal e comprometendo ataque do time. Craig, por sua vez, vinha bem do banco e tomou a posição titular.

O jogo 4 foi um dos melhores do time nas série. Na partida, o Nuggets relembrou os bons momentos da regular e dominou o adversário. Era um must win game, e o Denver venceu. Jokic terminou com 29/12/8, Craig teve uma ótimo jogo defensivo e Murray anotou 24pts pra recuperar o mando.

No jogo 5, outro boa performance. Nosso banco, que até então estava devendo, contribuiu bem demais, liderados por Barton. Murray novamente foi bem e o Nuggets venceu fácil 108 – 90 e match point na série. Porém, o jogo 6 nunca esteve ao nosso alcance. O time foi dominado do começo ao fim e teve apenas Nikola Jokic bem. MUITO BEM. 43pts pro pivô, grande jogo do sérvio, mas péssimo pro time.

JOGO 7

O jogo decisivo da série, foi cercado de erros. Ambos os times pareciam nervosos e comentaram turnovers bobos e cestas livres. Pior para San Antonio, que errou mais que Denver e teve um começo lento.

Pelo lado do Nuggets, Jokic apareceu novamente e foi um absurdo no jogo. Seus principais companheiros na partida foram o backourt de Harris e Jamal, sendo a dupla Jokic & Murray um grande trunfo pro time. Contudo, o jogo foi apertado até o fim, e o Nuggets prevaleceu.

Sendo o Lineup mais novo nos playoffs e ganhando um jogo 7 contra o Spurs de Popovich, diz muito sobre o time. Com certeza, a série foi importante para o crescimento e amadurecimento do time.

Triplo duplo no jogo 7 não é pra qualquer um
Crédito: ESPN BR

SÉRIE CONTRA O TRAIL BLAZERS

Na segunda rodada da pós temporada, o Blazers que já nos aguardava depois de despachar o OKC em cinco jogos. Um rival conhecido, um adversário de divisão que vinham empolgados com a insanidade de Damian Lillard e o poderio de CJ McCollum. Na temporada regular, o Nuggets venceu a série por 3-1, entretanto, isso não diz absolutamente nada.

ABRINDO A SÉRIE EM CASA

O jogo 1 foi um dos melhores do time nos playoffs. E um dos melhores dos Playoffs. O duelo foi disputado ponto a ponto durante todo o primeiro tempo. Pelo lado do Nuggets, Jokic e Murray continuavam com um double punch muito bem executado e com a adição de um grande jogo de Millsap. Pelo lado do Blazers, Lillard e Kanter infernizavam a defesa de Denver.

No terceiro quarto, o Nuggets disparou frente. O time venceu o quarto por 35 a 29 e abriu uma vantagem confortável, administrando até o fim. Vitória e liderança na série.

Grande performance no jogo 1!
Crédito: Sports Illustrated

Por sua vez, o jogo 2 foi péssimo. O placar baixo não é só reflexo de boas defesas, mas também de times pouco inspirados. O Nuggets terminou o jogo arremessando 35% de quadra, com os jogadores com dificuldades em pontuar. O Blazers não jogou muito bem também, mas fez o necessário. Na segunda série, também tivemos o mando roubado.

A BATALHA DE 4 OT

Esse jogo merece um espaço a parte. A batalha de quatro prorrogações no jogo 3, foi um dos melhores jogos da história dos playoffs. Foi épico. Para começo de conversa, o jogo em si (os quatro quartos), foi muito bom. O Denver sofreu novamente com um começo lento, marcando apenas 17 pontos no 1Q. Porém o time se recuperou.

O jogo ficou cá e lá após o 2Q sólido do Nuggets. Murray e Jokic seguiram a tona dos outros jogos e fizeram uma grande partida, enquanto tínhamos que lidar com CJ e Lillard quentes do outro lado, com uma surpresa vindo do banco. Rodney Hood.

O jogo tomou ares dramáticos no fim, quando Lillard roubou a bola e colocou o Blazers a frente, com 29seg restantes. Na resposta, Denver agiu rápido e após um belo passe de Nikola, Barton acertou uma bandeja, mandando o jogo para a primeira prorrogação.

O primeiro OT ficou no 7 a 7. São apenas cinco minutos, então tudo acontece muito rápido. CJ seguiu chamando a responsabilidade para Portland e Denver vinha forte com o trio Jokic, Murray e Barton – que jogou muito bem na partida. Jokic teve a bola do jogo, mas muito contestado não conseguiu a cesta. O roteiro continuou no segundo overtime. CJ x Nuggets, tudo igual. Dessa vez, Lillard desperdiçou a chance da vitória, em um chute contestado.

Foi no 3OT a principal chance desperdiçada do Nuggets. O jogo seguiu tenso, com ares de dramaticidade, cesta por cesta. Em dado momento, o Nuggets, após uma cesta de Millsap, abriu quatro pontos de vantagens. Com essa vantagem, o Nuggets teve a posse de bola e tinha tudo pra vencer. Porém, CJ McCollum roubou a bola e pontou deixando a vantagem em uma posse. Por fim, o Blazers conseguiu empatar e levar para o 4OT.

Na última prorrogação da partida, o Portland teve seus méritos. Sttots apostou em Rodney Hood que estava descansado e bem na partida. Ele entrou e foi determinante para a vitória. Após uma batalha, o Nuggets caiu diante o Blazers. Jokic jogou 65min e o time todo lutou muito.

A reação diz tudo.
Crédito: AAron Ontiveroz/The Denver Post

JOGOS 4, 5 e 6 – MANDO RECUPERADO E MATCH POINT DA SÉRIE

Após a batalha de quatro prorrogações, o Nuggets cancelou o treino do dia seguinte e partiu para o jogo 4 com uma obrigação de vitória. A parada seria dura, mas o Nuggets SE impôs fora casa.

O jogo foi muito bom, um dos melhores dos playoffs. O Portland foi um pouco melhor no primeiro tempo e foi ao intervalo em vantagem. O Nuggets conseguiu manter o jogo parelho.

O time voltou contra cara para o 3Q. Rodando a bola, matando bolas importantes e defendendo bem. No quarto, o Nuggets abriu a vantagem que precisava e administrou bem no último quarto. Grande jogo de Millsap, Murray e triplo duplo de Nikola Jokic.

No jogo 5, o Denver sobrou. Após vencer na estrada, o time se sentiu à vontade no Pepsi Center. Um raro jogo em que todos jogaram muito bem. O placar final refletiu o que foi a partida, uma surra. 124 a 98 e match point na série.

No jogo 6, o começo foi animador. O primeiro quarto foi ótimo com o time jogando bem e construindo uma boa vantagem. Porém, o Blazers se recuperou no 2Q e manteve o jogo parelho. O problema do jogo, foi novamente, o banco do time. Ninguém produziu bem, o único que tentava algo era Barton. Com isso, as rotações mataram nossas pretensões de fechar a série. Todos titulares pontuaram em dois dígitos, mas não foi o suficiente. Mais um jogo 7 no calendário.  

JOGO 7

O jogo 7 foi o décimo quarto do Denver na pós temporada. De longe, o time que mais entrou em quadra nos offs. Tínhamos o fator casa a nosso favor, mas o jogo 7 é grandioso, com tanto em jogo, o fator casa é quase obsoleto. Contudo, o ginásio estava pronto e a torcida confiante em voltar a uma final de conferência desde 08-09, quando caímos para o Lakers.

O início foi bom para o time. O Blazers errava muito e o Denver pecava em vários lances. Todavia, vencemos o primeiro quarto por 12pts. O Blazers foi aos poucos se recuperando na partida. Muito graças a CJ McCollum que novamente foi muito bem na partida; Zach Collins e Turner agregaram muito ao time ao longo do jogo.

Após perder o 3Q por oito pontos e ver a vantagem de 17, evaporar, o Nuggets passou a sentir o peso da decisão e errou muito. Do outro lado, CJ continuou quente e liderando o Blazers. O Nuggets batalhou, trouxe a vantagem em um ponto com 30seg restantes na partida, porém sofreu com a cesta clutch de CJ.

Novamente, um jogo sem a contribuição de nossos bancários e com alguns titulares sofrendo no jogo, ficou difícil.

Após sete longos jogos, sete batalhas, o Nuggets caiu. Porém, caiu em pé.

PONTOS POSITIVOS

Nikola Jokic

IMPOSSÍVEL destacar os pontos positivos do Denver nos playoffs, sem mencionar Nikola Jokic. O nosso pivô teve números absurdos em seu primeiro playoffs. Foram 25ppg, 13reb e 8.4ast. Liderou toda a NBA nos playoffs em duplos duplos e em triplo duplos. Além disso, Jokic teve o recorde de minutos em uma partida, 65min. Para a primeira pós temporada do garoto de 24 anos, foram números absurdos.

Grande estreia de playoffs para o Joker
Crédito: Bart Young/NBAE via Getty Images

Experiência

A média de idade do time é de 24 anos. O time mais novo dos playoffs e o quarto da liga. Com isso, a inexperiência era um fator que preocupava, porém o time se saiu bem. Resistiu a um jogo 7 e batalhou de igual para igual na semifinal de conferência.

O time jogou no total, 14 jogos. Foi, com certeza, uma ótima experiência, visto as situações que o time enfrentou, como perder o mando e recuperar nas duas série. Ao todo, o saldo foi positivo.

PONTOS NEGATIVOS

Banco

Nossos bancários. O Denver teve em seu depth uma de suas maiores forças durante a temporada. Algo que não se repetiu na pós temporada. Monte Morris foi com certeza o mais problemático. O garoto que desbancou Isaiah Thomas da rotação não repetiu as boas atuações e foi prejudicial a rotação.

Beasley foi o melhor do time, mas longe de ser o mesmo da regular. Viveu de lampejos. Plumlee idem, o mesmo que já tinha experiências nos playoffs ficou devendo nessa temporada.

Craig tomou a posição de titular e foi sólido. Barton foi o melhor vindo do banco e deve ser o sexto homem na temporada que vem.

Jogos em casa

O Nuggets perdeu apenas sete vezes no Pepsi Center durante a temporada. Foi o melhor recorde da liga. Porém nos playoffs, o time perdeu três. Isso é algo que não pode acontecer no futuro, nos custou caro. Ainda mais, porque os jogo 1 contra Spurs e o jogo 2 Blazers estiveram próximos e foram jogo que deveríamos ter ganho.

Pendências e o futuro

Temos três jogadores em fim de contrato que não devem continuar: IT, Lydon e Lyles. Todos contribuíram pouco e certamente não farão falta. Além dos três, o Nuggets tem a opção de permanecer com Millsap. O time pode acionar a cláusula de Team option de $30m. Caro, mas necessário. Ainda há opção de ambos negociarem um novo contrato, fora do TO. Vamos esperar, a tendência é que Millsap permaneça.

Para a próxima temporada…

A expectativa é que sejamos um time tão bom quanto fomos nessa. O time é jovem e agora mais experiente, de certo continuaram crescendo. O time ainda tá longe do teto.

Outro possível trunfo para a próxima temporada é Michael Porter Jr. MPJr foi draftado na 14° escolha do draft passado e permaneceu a temporada sem jogar, se recuperando de lesão. Contudo, Porter já está disponível para a Summer league em setembro e fará parte do elenco.

Michael Porter era tido como um prospecto de top 5 do draft antes da lesão. Se conseguir voltar saudável, certamente ajudará muito e pode ser até, um jogador que eleve o patamar do time.

Com um talento de top 5, mas com um histórico de lesões, Michael Porter Jr sobrou para o Nuggets na 14º escolha do último draft e pode ser o grande trunfo para a próxima temporada Foto: Garrett Ellwood/NBAE via Getty Images

Tags
Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Chegar

Close
Close