fbpx
Memphis Grizzlies

O Grit&Grind ainda vive

Diferentes jogadores… A mesma cultura

A temporada era 2010-11, a primeira de Tony Allen nos Grizzlies e também a primeira em que a base do time que todos viriam a se lembrar para sempre jogou junta. 08 de fevereiro de 2011, após a vitória sobre o Oklahoma City Thunder, em um jogo em que Allen teve uma das suas melhores atuações – com 27 pontos – o ala-armador na entrevista pós-jogo soltou:

– “It’s just all heart. Grit and grind.”

Allen estava irritado com Rudy Gay, seu companheiro de time na época, que pediu para não jogar a partida, pois estava com dores no dedo do pé. Allen tinha visto o camisa #22 dando enterradas no dia anterior ao jogo, e por isso ficou revoltado com o jogador. Na primeira oportunidade da entrevista criou o bordão. E assim começou o que hoje se tornou a cultura do time de Memphis, a postura e o jeito de jogar que a torcida e jogadores abraçaram por anos, mesmo com mudanças de técnicos e mudanças no estilo do basquete jogado pela liga. Acima de todas as circunstâncias, o grit&grind levou o time a sete playoffs seguidos na fortíssima conferência oeste.

Os ápices desse espírito brigador do time eram vistos na defesa, mesmo com um ataque que na maioria das vezes se mostrava feio. A defesa estava lá moendo os adversários e conquistando as vitórias necessárias para levar o time a um sucesso nunca visto antes em Memphis. Quem não se lembra da célebre frase dita por Tony Allen durante um jogo contra o Warriors?

Até que chega a temporada 2017-18, dois dos principais líderes e símbolos do espírito do time, Zach Randolph e Tony Allen saem do time, e com eles uma parte desse estilo agressivo e pegado. Mesmo com a permanência de outros jogadores como Gasol e Conley, era como se aquele time não fosse nunca mais voltar a ser o mesmo.

O que vimos no decorrer da temporada 2017-18 corroborou com as baixas expectativas colocadas no Memphis por muitos analistas, a situação piorou quando vários jogadores importantes se lesionaram perdendo boa parte da temporada, como Conley e Parsons que jogaram apenas 12 e 36 jogos, respectivamente. Tudo isso fez com que o Memphis, sem sucesso no começo do campeonato, abraçasse de vez o tanking a fim de buscar um jovem talento no draft, além de contar com seus importantes jogadores 100% fisicamente para a próxima temporada. O saldo positivo tirado dessa temporada foi a descoberta do jovem Dillon Brooks, draftado na 45ª posição.

15 de dezembro de 2018, o grit&grind ainda vive! O Grizzlies após uma temporada de tanking, draftou o jovem JJJ e com a volta dos seus jogadores que passaram a maior parte da temporada passada lesionados e com algumas contratações na FA, voltaram a brigar por uma vaga nos playoffs do oeste, novamente indo contra a maioria, senão todas, as previsões dos analistas que acharam que a temporada passada foi o começo de um longo período de reconstrução para o Grizzlies. Já conseguimos perceber que mesmo que o time tenha jogadores diferentes, continua com seu mesmo espírito e cultura de time brigador, mantendo o sucesso que teve há alguns anos com outro roster. Só nos resta tentar destrinchar os Grizzlies, o que eles fazem que está dando tão certo e previsões sobre o futuro do time nesta temporada.

DEFESA

Como é de praxe a defesa do Grizzlies continua excelente e eu posso resumir em uma palavra, TAMANHO.

  • Mike Conley 6ft1
  • Garrett Temple 6ft6
  • Kyle Anderson 6ft9
  • Jaren Jackson Jr 6ft11
  • Marc Gasol 7ft1

Tirando Conley, o resto dos jogadores é alto ou tem uma grande envergadura, ter jogadores com esse tamanho é uma das principais razões da defesa do Memphis dar tão certo. Veja o vídeo abaixo até 01m:42s.

Como vemos no primeiro lance acima, após Favors tentar uma infiltração e ser barrado por Jackson e Mack ele volta a bola para o perímetro com Crowder, nesse instante Anderson está longe da bola, mas sua grande envergadura o faz ainda assim, contestar o arremesso. No segundo lance Hollis-Jefferson faz o pick-and-roll e tenta a infiltração, Gasol que estava marcando o Allen vem para contestar a bandeja, já que Jackson ficou batido na jogada, mas o garoto é tão grande que conseguiu se recuperar e ir pro double-team com Gasol, tornando o arremesso impossível de ser convertido.

No terceiro lance, vemos novamente a habilidade de Jackson de ser um grande defensor de aro, durante a infiltração de Mitchell, enquanto Gasol estava se preparando para defender a infiltração, Jackson reconheceu que estava marcando o Favors e que ele não tem um alto aproveitamento do perímetro, logo fez uma rotação cedo, surpreendendo Mitchell e conseguindo o toco. No último lance vemos Casspi com seus 6-9 e braços gigantes conseguindo uma deflection (um desvio na bola), única e exclusivamente pelo seu tamanho.

Ter braços grandes e saber se posicionar ajuda o Memphis a conseguir turnovers e deflections, eles são o 6º melhor time da liga em deflections com 14.9 e o 5º melhor time da liga em forçar turnovers de seus oponentes com 16.6 turnovers por jogo, o que ajuda eles a estarem em 6º lugar em pontos gerado por turnovers com 18.9.

Veja essas duas jogadas do Anderson neste primeiro vídeo.

Ele usa do seu tamanho e envergadura para conseguir o roubo, o mesmo acontece aqui.

Gap pressure, é uma defesa onde um jogador abandona o jogador que está marcando para ajudar na marcação de outro jogador que está com a bola no momento, e ninguém faz isso melhor que o Grizzlies devido muito ao tamanho dos seus jogadores. Vejam essas três jogadas.

No primeiro vemos que Niang recebe um corta luz fora da bola do Favors e logo em seguida recebe a bola para a infiltração, por conta do corta luz, Anderson que é o seu defensor, fica um pouco para trás, Mack que no momento estava marcando o Rubio, percebe que ele pode ajudar mais do que o normal por Rubio não ser um bom arremessador, conseguindo um turnover. No segundo lance vemos JaMychal Green fazendo a mesma coisa e ajudando a recuperar a bola.

No terceiro lance temos uma das melhores execuções dessa defesa, após fazer o pick and roll Russell se prepara para infiltrar, mas se deparar com Casspi que largou o seu jogador para tentar parar a infiltração, Russell lê isso e sabe que alguém ficou livre, logo ele acha DeMarre Carroll que tenta a infiltração, mas se deparar com Mack que conseguiu se recuperar do corta luz sofrido no começo da jogada e voltou para impedir o avanço do adversário.

DEFESA DE PICK AND ROLL

O pick and roll é a jogada mais feita no basquete atual e a principal coisa que um time precisa saber é se defender dela, existem diversas maneiras de fazer isso e que não serão abordadas aqui, mas uma delas, a Trap, é a defesa que o Grizzlies faz e obtém um enorme sucesso.

Essa defesa consiste em tentar fazer com que o adversário pegue o bloqueio (o pick) pelo lado em que ele fique encurralado, fazendo com que o segundo jogador de defesa consiga dobrar a marcação e encurrala-lo, conseguindo recuperar a bola. As duas jogadas no vídeo abaixo mostram isso.

Nesses lances conseguimos ver que Gasol consegue várias steals assim, e não é coincidência, o espanhol lidera o Grizzlies em roubos de bola por jogo, simplesmente porque ele é mais inteligente que todos e sabe exatamente onde tem que ficar e como usar seu tamanho para auxiliá-lo.

Memphis atualmente é a 4ª melhor defesa da liga, com defensive rating de 104.4, que é o número de pontos permitidos a cada 100 posses de bola. Sempre vemos jogos com placares elásticos, principalmente nessa temporada onde o jogo ficou mais rápido, mas sempre nos deparamos com aqueles jogos onde os times ficaram abaixo dos cem pontos e um dos times ficou abaixo dos noventa e quando notamos, é sempre o jogo do Memphis Grizzlies, o time que sempre quer nos lembrar o quão difícil é enfrentá-los e quão forte é a cultura que ainda vive na alma de cada torcedor e jogador.

ATAQUE

Mais do que a defesa, o que mostra que o time do Grizzlies permanece sendo o mesmo é o ataque. Nos sete anos seguidos indo aos playoffs o Grizzlies nunca foi um ataque espetacular, um ataque de destaque, sempre levou seus adversários a placares baixos com o auxílio de seu sistema defensivo e o Grizzlies da temporada 2018-19 é o mesmo que estamos acostumados a ver há bastante tempo.

O Grizzlies atualmente tem o 28º melhor ataque da liga em pontos, também conhecido como o terceiro pior, com 102.5 pontos por jogo, mas é o 26º aka quinto pior em offensive rating com 105.4 pontos por 100 posses de bola. O time de Memphis também recebe a alcunha de time mais lento da liga com 96 de pace segundo a NBA.

Mesmo sendo um ataque que faz poucos pontos, observamos também que é um ataque coletivo, visto que não possuem muitos talentos individuais que conseguem criar seu próprio arremesso. O Grizzlies é um time que toca muito a bola para conseguir arremessos perfeitos e conta muito com as infiltrações de Conley para conseguir espaço no meio das defesas e conseguir pontuar.

Conley nessa temporada está igualando seu career high em assistências por jogo com 6.5, o que corrobora para o jogo coletivo mostrado pelo time. Atualmente 61.2% das bolas convertidas pelos Grizzlies, foram assistidas de algum outro jogador, o que coloca eles no entre os dez times que mais conseguem seus pontos através de um basquete coletivo. Outro fator para isso é que eles contam com Marc Gasol, que é um dos grandes Point Centers da liga e que continua armando o jogo em algumas posses de bolas para o Grizzlies.

PREVISÕES

Os Grizzlies se encontram em 7º na disputadíssima conferência oeste, e uma coisa é certa para o futuro desse time, eles nunca irão abandonar sua cultura! A defesa se mostrou sólida e o mesmo vale para o ataque. Esse é o estilo de jogo do Memphis, lento e pragmático, placares baixos e feios em certos momentos, mas que garante vitórias importantes.

Não estamos sempre na mídia, somos um dos menores mercados da NBA, mas fazemos do nosso caminho a nossa marca registrado e exclusiva do nosso sucesso. A todos as outras equipes do Oeste: Nos vemos nos Playoffs! 

Tags
Mostre mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close