fbpx

Fala, Massa querida! Mais uma semana de beisebol completa com uma AL East imprevisível. O Rays segue firme e forte com um ótimo começo de temporada, diferentmente do atual campeão da World Series, o Boston Red Sox, que de bonito até agora só teve a cerimônia de entrega dos anéis de campeões na abertura em casa da temporada.

No texto dessa semana, vamos passar por todos times da divisão e destacar o que de bom e de ruim, se passa pelas franquias da AL East! Sem mais delongas, vamos lá:

Tampa Bay Rays (10-3)

Os Rays estão muito bem, obrigado. A equipe da Flórida segue com um começo quente e confirma as expectativas de ser um time competitivo neste ano. Nos últimos seis jogos, são cinco vitórias e duas vitórias em séries, contra o Giants em São Francisco e contra o White Sox em Chicago — esta sendo uma varrida.

Contra os Giants, o bullpen do Rays seria colocado à prova. Nas duas vitórias, o time saiu à frente do placar cedo no duelo e contou com atuações sólidas de seus pitchers. No primeiro jogo, Glasnow arremessou seis entradas tranquilas e o bullpen, apesar de ceder duas corridas, deu conta do recado. Yandy Díaz também se destacou, com dois HRs na série.

É até algo corriqueiro, mas somos obrigados a destacar Blake Snell. Contra o White Sox, na terceira aparição no montinho na temporada, Snell arremessou por seis entradas e conseguiu 11 Ks, cedendo apenas uma corrida. O atual Cy Young segue quente e com atuações dominantes. No bastão, Tommy Pham segue com uma ótima temporada. Para completar a varrida contra o White Sox, o OF rebateu 2 HRs no jogo. Os Rays seguem com tudo!

Tommy Pham e os Rays estão tendo um ótimo começo de temporada. Foto: Conexión Deportiva

New York Yankees (5-7)

O maior inimigo do time Nova Iorquino segue sendo as lesões. Mesmo assim, os Yankees completaram a varrida contra os O’s graças a dois jogos de um ataque inspirado.

No segundo jogo da série, Judge rebateu dois HRs, impulsionando três corridas. Para fechar a série, uma explosão de 15 corridas em 15 rebatidas e SETE HRs. Gary Sanchez teve um jogo espetacular, com três rebatidas para fora do estádio.

Aliás, Sanchez vem com um bom começo de temporada: 26.8% de aproveitamento, 6 HRs e 11 RBI. Além disso, o ataque do time segue com bons desempenhos de Voit, Judge e Torres.

Gary Sanchez está retomando o bom desempenho da sua temporada de calouro. Foto: Yahoo! Sports

Contra os Astros, um balde de água fria para Nova Iorque. Já era esperado que o time teria dificuldades, afinal havia um grande time jogando em casa do outro lado da moeda. Os Yankees acabaram sendo varridos em três jogos acirrados: a equipe perdeu uma partida por uma corrida, outra por três e a última por duas. Essa foi a primeira varrida da história dos Astros contra os Yankees.

Embora o bullpen seja bom, a ineficiência acabou sendo determinante na série. Nos dois primeiros jogos, Ottavino e Chad Greene ficaram com as derrotas e não sobreviveram ao ótimo ataque do Astros.

Contudo, os Yankees parecem estar se ajeitando aos poucos. A varrida com certeza não condiz com o que foi a série, e a tendência é de que a equipe siga crescendo.

Baltimore Orioles (5-8)

Ok, os Orioles não estão com a pior campanha da divisão. Embora os últimos jogos tenham sido desfavoráveis, a situação de Chris Davis é o que mais preocupa no momento.

Davis já é veterano de casa e está em Baltimore há um tempo. Pode ser até que tenha crédito, mas a temporada, até aqui, é patética. Davis estabeleceu um recorde negativo de CINQUENTA E OITO aparições no bastão sem conseguir uma rebatida sequer. Lembrando que o 1B tem um contrato de US$ 161 milhões em vigor!!! No momento, ele é o pior jogador de beisebol do universo.

Um pesadelo de temporada até aqui para Chris Davis. Foto: NBC Sports

Contudo, os O’s seguem a vida. Na segunda série da temporada contra o Yankees, o desempenho foi ruim e o time sofreu uma varrida. De positivo, a performance de Renato Nuñez — 4-9, 2 RBI, 2 R. Uma pequena inspiração a um ataque fraco.

Na série seguinte, contra os A’s, a única vitória veio em um dia inspirado da dupla Trey Mancini e Jonathan Villar. Mancini teve duas rebatidas, um HR e duas RBIs; Villar foi 2-5, com um HR e quatro RBI. A série, porém, continuou com os A’s dominando.

No texto da semana passada, dizemos que o primeiro mês de beisebol pouco importa para o futuro de um time no ano. OK! Mas o desempenho de Boston é simplesmente horrível.

Boston Red Sox (4-9)

Quando o Red Sox vai entrar em campo?

O time se despediu de Oakland com outra derrota, perdendo a série por 3-1. E-Rod teve mais uma performance desastrosa de um titular dos Sox na temporada — 3.2 IP, 8 H, 6 R e 6 ER. Ironicamente, o bullpen é o que menos causa dor de cabeça para Boston no momento. O time tem o PIOR ERA entre a rotação titular na MLB!

Após o desastre em Oakland, a equipe foi ao Arizona pela primeira vez desde 2007 e, adivinhem só, apanharam. No primeiro jogo, um verdadeiro show de rebatidas: foram 18 dos D-Backs e 12 do Red Sox. Boston até saiu na frente do placar em uma rebatida dupla de Benintendi que impulsionou Swihart, porém a vantagem não durou muito, e na parte baixa da entrada, os D-Backs empataram, e daí em diante, a equipe do Arizona deitou e rolou: ao fim da sexta entrada, a vantagem era de 14 a 1. Porcello deixou o jogo após 4.2 IP, cedendo 10 rebatidas e SETE corridas, todas merecidas. Brian Johnson entrou e espalhou ainda mais a farofa, sacramentando uma surra de 15 corridas para abrir a série.

Os Sox ainda perderam o segundo jogo por 5-4, onde o único ponto interessante foi a RBI de Price. A única vitória da série foi por 1-0 no último duelo, por incrível que pareça, graças a um jogo sólido do bullpen e um HR solo de Mitch Moreland — um dos poucos que se salvam nessa desgraça que vive o time.

Contudo, o Red Sox tinha a perspectiva de melhorar na abertura da série seguinte, contra o Jays, em Boston, Opening Day no Fenway.

O primeiro jogo do time em casa foi cercado de bom humor e sorrisos. Afinal, a equipe recebeu os anéis de campeão da WS, os atuais campeões do Super Bowl, New England Patriots, e tinham a volta de Pedroia ao lineup (não fez muita coisa). A cerimônia, porém, foi a única coisa que os fãs tiveram para comemorar.

O jogo era mais um para Chris Sale se redimir e finalmente ter uma partida decente, algo que não ocorreu – Sale que, como destacado no texto anterior, vem tendo problemas com sua fastball. Neste jogo, a bola rápida ficou na casa de 92mph — não é o ideal, porém não é tão desastroso. O que preocupa é o controle de arremessos. A bola de curva de Sale e o seu tão temido slider simplesmente não estão encaixando em 2019. O Ace dos Sox teve mais uma partida desastrosa, para dizer o mínimo: foram quatro entradas, sete rebatidas e cinco corridas, todas merecidas. No momento, Chris Sale é horrível.

Uma temporada irreconhecível de Sale até agora. Foto: CBS sports

Ontem, um pouco de redenção para Boston, que venceu os Blue Jays com uma virada surpreendente: após Eovaldi ceder 5 corridas na parte alta do terceiro inning (aiai, essa rotação), o ataque do Red Sox respondeu com três corridas e eventualmente empatando o jogo do sétimo inning. Na entrada seguinte, balde de água fria: os Blue Jays abriram um 6-5 com um HR de Freddy Galvis, mas os Sox retomaram o controle da partida, marcando duas corridas na parte baixa da nona entrada e saindo com uma vitória em walk off. Novamente, Moreland foi o destaque, anotando um HR solo na quinta entrada e rebatendo o RBI double que empatou a partida na nona entrada.

Toronto Blue Jays (4-9)

Para os Jays, a realidade parece estar batendo à porta: o time foi varrido e dominado pelo Indians em Cleveland.

Embora seja cedo, o ataque de Toronto figura entre os piores da liga. A equipe é a 27º em corridas, 29º em aproveitamento, 29º em OBP e apenas a 24º em HR. O time só conseguiu anotar seis corridas no total em quatro jogos contra a Tribo. É, temos números ruins em um ataque pouco inspirado (alô, Vlad Jr.).

Contudo, a equipe voltou a vencer na abertura da série seguinte, contra o Red Sox em Boston. O jogo marcava o primeiro jogo dos Sox em Fenway na temporada, com direito a cerimônia para a entrega dos anéis de campeão, participação do New England Patriots e tudo mais.

Os Jays, por sua vez, viram tudo isso e simplesmente disseram: CHEGA! (leia com a voz de Paulo Antunes). A equipe canadense jogou um balde de água fria contra Chris Sale e companhia e saiu com a vitória. Shoemaker teve mais uma boa performance e conquistou sua terceira vitória no ano — 5.2 IP, 5 H, 4 R, 2 ER e 4 Ks. Além disso, Freddy Galvis impulsionou duas corridas e foi muito bem na vitória, assim como Gurriel Jr, que roubou o home plate!

Não é todo dia que alguém rouba o home plate. Foto: Fox Sports

Para um time que não tem muitas expectativas de ir longe na temporada, certamente atrapalhar as festas e vida dos rivais é algo animador sempre.

Concluindo

A maior decepção da divisão (e da MLB) até o momento é o Red Sox. A equipe de Boston não conseguiu se encontrar ainda e vive um momento turbulento. Enquanto os rivais já vem mostrando sinais de melhora ou, ao menos, lampejos de bons jogos, o Sox precisa virar a chave o mais rápido possível, para que não tenha que correr atrás do prejuízo. Talvez a virada de ontem sinalize esse começo, mas é muito difícil ter de marcar múltiplas corridas em todos os jogos por causa de uma rotação terrível neste 2019.

E você torcedor, o que está achando da AL East de Blue Jays, Orioles, Rays, Red Sox e Yankees? Deixe sua opinião nos comentários!

#MLBdaMassa #LetsGoBlueJays #Birdland #RaysUp #DirtyWater #PinstripePride

Colunas anteriores

A PRIMEIRA SEMANA DA AL EAST

QUEM LEVARÁ O TRONO DA AL EAST?

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close