fbpx
Vancouver Canucks

RELATIVIZANDO A HISTÓRIA

Benning “The Hutt” durante o Draft 2019
Jim Benning, Vancouver Canucks, 2019 NHL Draft (Amy Irvin / The Hockey Writers)

Jim Benning acaba de ter seu contrato renovado por mais 3 temporadas em um movimento bastante controvertido. Tido como um dos GMs mais ameaçados entre os 31 times, ganhou um voto de confiança da direção, embora nada garanta que novo fracasso nesta temporada não selará seu destino longe da British Columbia.

Se, de um lado, temos escolhas de draft bastante incensadas, do outro temos controversos contratos firmados e movimentos tímidos no sentido de buscar prospect e draft picks em suas trocas. Uma vez que não é preciso ser entendido para questionar a atuação de Benning na free agency, vou colocar sob perspectiva seu ponto forte, o draft.

Em primeiro lugar, não advogo pela demissão de Benning. Acredito que a estabilidade tende a render bons frutos e que ter um ambiente mais sereno nesta temporada poderá ser importante para o time chegar aos playoffs e acho, particularmente, que o grande defeito de Benning tem sido deixar as coisas em Utica correrem soltas, prejudicando o desenvolvimento de nossos prospectos.

Contudo não enxergo esse mérito todo em seus drafts. Nas tabelas abaixo sinalizo os drafts que considero positivos, negativos e neutros. De antemão, todos os jogadores que chegaram a NHL sendo escolhidos da terceira rodada em diante já ganham o sinal de positivo. O sinal indica se o prospecto está desenvolvendo conforme, acima ou abaixo do esperado. Aqueles cujos direitos não pertencem mais aos Canucks foram negativados, independente do round de escolha.
O Foco principal é, no entanto, as duas primeiras rodadas.

2014 Draft
Rd # Pick # Player
1 6 Jake Virtanen RW (-)
1 24 Jared McCann C (-)
2 36 Thatcher Demko G (+)
3 66 Nikita Tryamkin D (+)
5 126 Gustav Forsling D (-)
6 156 Kyle Pettit C (-)
7 186 Mackenze Stewart D (-)
2015 Draft
Rd # Pick # Player
1 23 Brock Boeser RW (+)
3 66 Guillaume Brisebois. D (+)
4 114 Dmitri Zhukenov C (-)
5 144 Carl Neill D (-)
5 149 Adam Gaudette. C (+)
6 174 Lukas Jasek. RW (+)
7 210 Tate Olson D (-)
2016 Draft
Rd # Pick # Player
1 5 Olli Juolevi. D (-)
3 64 William Lockwood. RW (=)
5 140 Cole Candella D (-)
6 154 Jakob Stukel LW (-)
7 184 Rodrigo Abols. C (-)
7 194 Brett McKenzie C/LW (-)
2017 Draft
Rd # Pick # Player
1 5 Elias Pettersson. C (+)
2 33 Kole Lind. RW (-)
2 55 Jonah Gadjovich LW (-)
3 64 Michael DiPietro. G (+)
4 95 Jack Rathbone D (=)
5 135 Kristoffer Gunnarsson. D (-)
6 181 Petrus Palmu. LW/RW (=)
7 188 Matthew Brassard D (-)
2018 Draft
Rd # Pick # Player
1 7 Quinn Hughes. D (=)
2 37 Jett Woo. D (+)
3 68 Tyler Madden C (=)
5 130 Toni Utunen. D (=)
6 186 Artyon Manukyan F (=)
7 192 Matthew Thiessen G (=)
2019 Draft
Rd # Pick # Player
1 10 Vasily Podkolzin. RW (+)
2 40 Nils Höglander. LW (+)
4 122 Ethan Keppen LW (=)
5 133 Carson Focht C (=)
6 156 Arturs Silovs G (=)
6 175 Karel Plasek LW/RW (=)
6 180 John Malone F (=)
7 195 Aidan McDonough F (=)
7 215 Arvid Costmar. C (=)

Avaliando-se uma por uma as escolhas de primeira e segunda rodada:

Jake Virtanen – Teria ficado feliz se ele fosse escolhido na segunda metade do 1st round, tipo no lugar de McCann, mas não seria realista, pois ele era realmente cotado como top 10. O contexto de sua escolha era do time precisar crescer para brigar com times mais fortes do Pacífico. Benning escolheu suprir uma “carência” a escolher o melhor jogador disponível, deixando passar Ehlers e Nylander, e nem vou falar de Pastrnak, porque ele foi escolhido bem depois (por outro lado Benning, o gênio do Draft, deixou ele passar 2X), de lá pra cá o hockey mudou bastante e Benning demorou para perceber e, mesmo tendo percebido ainda não se convenceu totalmente.

Jared McCann – Teria ganho um sinal de = se não tivesse se transformado em Gudbranson. Foi um pick com potencial legal, mas que foi desperdiçado pela tara de Benning por jogadores grandes. Como 3C em um time com Bo e EP40 seria um belo encaixe.

Thatcher Demko – Demorou um pouco mais do que o necessário para aparecer em Vancouver, mas não por sua culpa ou problemas de desenvolvimento e sim pela proteção que Benning lhe deu, contratando backups para não o jogar aos leões com um time perdedor. Essa temporada veremos se essa proteção foi boa para seu desenvolvimento ou se gerou uma estagnação. Acredito que ele se sairá bem.

Brock Boeser – Não há muito a comentar. Foi um dos, se não o maior steal do draft. Não se esperava muito dele. Não foi uma escolha unânime, mas em pouco tempo já tinha conquistado mesmo os mais críticos em Vancouver. Ainda sem assinar contrato, está pedindo 28mi por 4 anos e fechará por um valor bem próximo, sendo o jogador mais caro do elenco.

Olli Juolevi – Maior fracasso de Benning no draft. Sequer estreou na NHL. Aliás, toda a turma daquele ano foi um total fracasso, exceção feita a Willian Lockwood, que embora não tenha fracassado está longe de ser um prime prospect e de ter passaporte carimbado pra NHL. Mais uma vez tendo optado por preencher uma carência deixou passar Tkachuk, de longe o melhor jogador disponível, além de diversos defensores que hoje já têm carreiras consolidadas na NHL. Juolevi não apresentou grande progresso desde que foi draftado, mas ainda há uma esperança de vingar. Essa temporada será decisiva.

Elias Pettersson – Outra escolha que vai para a conta positiva de Benning sem nenhum questionamento. Embora alguns GMs tivessem EP40 em suas listas, sua escolha não foi bem assimilada por muitos em Vancouver, que acreditavam que ele não teria uma carreira na NHL com seu físico franzino. Jogadores que estavam a frente dele nos mock drafts como Cody Glass e Mittelstadt, nem de longe apresentam o potencial que ele mostrou desde o draft, seja na SHL ou na NHL.

Kole Lind – Estagnou em seu primeiro ano como profissional, decepcionando em Utica. O fracasso talvez venha a ser contornado, pois mostrou potencial em alguns momentos, mas escancara a falta de controle de Benning sobre o Farm System de Vancouver. Em diversos momentos foi preterido por jogadores experientes e com potencial pífio, sem sequer ter contrato com o Canucks, para que, supostamente, o time de Utica tivesse mais chances de vencer.

Jonah Gadjovich – Semelhante ao Kole Lind, embora não fosse um prospecto com o potencial dele. Gadjovich nunca me empolgou, acredito que tenha sido escolhido muito cedo, mas também teve um ano difícil em Utica, sendo preterido por jogadores experientes. Muitos dizem que sua patinação não deixará que ele suba seu jogo ao nível da NHL, mas ele parece ser bastante dedicado. Ainda não é uma pick perdida, embora o ano tenha sido perdido.

Quinn Hughes – Não é mérito de Benning. Virtualmente qualquer GM escolheria ele na posição em que estava, razão pela qual não farei comentários sobre ele e nem darei (+) pela sua escolha. Por outro lado não dá pra ignorar que Yzermann no último draft…

Jett Woo – Um dos jogadores mais jovens do draft, vem evoluindo muito bem e parece que poderá vir a ser um steal de Benning. É cedo para afirmar isso, mas foi uma ótima aposta na segunda rodada.

Vasily Podkolzin – Inicialmente não gostei dessa escolha, mas avaliando melhor acredito que tende a ser uma das melhores escolhas de Benning e, por um simples motivo, não estará na NHL nos próximos 2 anos! Além de ganhar experiência na 2ª melhor liga do mundo terá um excelente contrato no momento que o time precisará de cap para assinar renovações de EP40 e Hughes. Minha maior ressalva em relação a ele está nos números. Me parece que não jogou muito na última temporada, mas isso pode ser uma particularidade do desenvolvimento da KHL.

Nils Hoglander – Muitos dizem que será também um excelente nome. É cedo para comentar qualquer coisa sobre ele, prefiro ver como será sua próxima temporada na SHL, pois não acompanhei ele nessa ultima, mas acredito que chegará na NHL.

Pegando apenas as duas primeiras rodadas Benning e atribundo peso 2 para a primeira e peso 1 para a segunda, Benning teve 11/19 de aproveitamento, mas considerando as primeiras rodadas seu índice foi muito baixo, desperdiçando 2 Top10, além do fato de uma de suas picks ser consensual e não poder ser atribuída a sua habilidade, embora tenha contabilizado 2 pts.

Pick é loteria, mas desperdiçar 2 top 10 em 5 oportunidades é muita coisa. Verdade que existem outros picks bons de Benning nos rounds mais altos e que alguns poderão vir a alcançar a NHL ou servir como moeda de troca para reforçar o time, mas é preciso baixar a bola sobre as tais habilidades de Benning para draftar pois seu aproveitamento não parece superior ao GM comum. Além disso, comparar suas picks com as de Gillis parece um tanto injusto, uma vez que o segundo nunca teve picks Tops a sua disposição por ter montado um time contender. Por fim, sua derradeira escolha, a única TOP10, adquirida por meio de troca e não por mau desempenho, será nosso próximo capitão.

Torço por Benning, sou a favor da continuidade, mas não renovaria com ele antes de ver como o time se comportará na próxima temporada. Se bem que, pra quem está gastando quase 20 milhões com Eriksson, Beagle, Schaller, Roussel, Myers, a multa rescisória não será obstáculo para eventual demissão.

Tags
Mostre mais

Gustavo Macieira

Fã de hóquei desde Mário Lemieux Hockey pro Sega Genesis e torcedor fanático dos Canucks desde 2011, depois de virar a casaca e deixar de torcer pro New York Rangers.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close